Memórias do Dunkar Krelian

- Ano de 1804 do calendário imperial estelariano -

A cerca de sessenta anos, um boato começou a percorrer as ruas da capital real de Dragória. A cidade de Dragórios sussurrava o fato de uma temível professia Daviana estar se realizando.

Dragória e Dávia guerrearam a centenas de anos atrás. A guerra foi encerrada após uma inegável vitória de Dragórios sobre os Devas, uma raça de homens-meio leões governantes de Dávia. Devido a um acordo de rendição a capital Nera foi poupada, impondo vergonha e desejo de vingança aos Davianos. Nesta época uma professia foi escrita pelo imperador. A professia dizia que o escolhido de Arkon, o Deus do Sol, um dia nasceria em Dávia e devolveria o orgulho e respeito dos Devas, caminhando sobre as ruínas do palácio Real de Dragórios. A professia, diziam, estava se realizando.

Os boatos sobre Arísius, um poderoso Deva portando uma lança dourada que brilha como o Sol corriam os quatro ventos. As notícias das conquistas ao norte preocuparam a Rainha Amanda, então governante de Dragória. Ela enviou espiões para averiguar os fatos e as conclusões foram as piores possíveis. Amanda então resolveu dar o primeiro passo e iniciou uma grande ofensiva militar contra Dávia, iniciando uma sangrenta guerra entre os dois reinos.

A guerra porém não saiu como a Rainha havia planejado. No primeiro combate, na cidade fronteiriça de Liz, Arísius apareceu e derrubou a nau-capitania da frota real dragoriana. Os exércitos Davianos marchavam sob o comando do poderoso Arísius e ele provou ser excepcionalmente poderoso, ganhando o titulo de "invencível".

Muitos bravos e poderosos heróis Dragorianos se opuseram ao aclamado "Escolhido de Arkon", mas todos falharam em deter o líder Daviano. A exatamente cinquenta anos, Arísius finalmente chegou até Dragórios e demoliu o palácio usando sua poderosa lança. Sobre os escombros ele fincou uma bandeira de Dávia, e batizou Dragórios como "Capital Colonial" de Dávia. A vida em Denaroth daquele dia em diante seguiu caótica e violenta.

Hoje tem início as festividades de comemoração dos cinquenta anos da conquista de Dragórios. As festividades se seguem por duas semanas mas poucos Dragorianos a comemorarão com sinceridade. O poder opressor de Arísius reprime o povo, mas a esperança de uma mudança mingua a cada nova revolta suprimida ou novo herói poderoso derrotado pelo escolhido de Arkon. Esdra vive uma nova e perturbadora era.

Desde a conquista de Dragórios, os olhos do inimigo tem se voltado para nós: Anões do reino de Kadres. Muitos combates ferozes ocorreram em nosso solo e agora apenas nos resta a ultima cidade. A cidade-fortaleza de Fortinária, capital do reino e ultimo obstáculo para a principal passagem rumo às cordilheiras eternas. Os elfos do Sul também tem suas preocupações para defender Artënia e a meses não nos chegam notícias de sua situação. Eu receio que sua força possa ter falhado.

Nestes dias pesarosos apenas nos resta a esperança e a fé em Toran, além da confiança de que com honra e coragem seremos recompensados pelos deuses com a vitória, ainda que sofrida.

- Krelian Martelo Forte - Dunkar de Kadres e Senhor de Fortinária -

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Um Reino de Mentiras - A Busca de Arduin

O Resgate de Arduin

O Retorno de Drakor - Fortinária e a batalha de Kadir